sexta-feira, 26 de novembro de 2010

O que não vi

Hoje nevou em Paris. Foram os "primeiros flocos" do inverno que chega, segundo os noticiários. Eu ainda andava na rua no horário previsto pela meteorologia. Queria encontrar a tal da neve. Onde ela está?, pensava eu. Podia senti-la nos rostos das pessoas. Mas não a vi. Porque quando a neve caiu em mim, achei que fosse chuva...

Tudo que fiz foi cobrir a cabeça com o capuz de meu super-capote impermeável e acelerar os passos para chegar logo em casa. Aquela chuva não me interessava. Só depois descobri que havia passado por uma inusitada experiência de desencontro. Perguntaram-me: "viu a neve?" E eu, com cara de Forrest Gump, disse: "neve?!"

Bem que achei aquela chuva meio diferente, meio estranha, porque as gotas pareciam mais pesadas que o normal. No entanto, o único pensamento que me ocorreu na hora foi que eu nunca havia sentido tanto frio como hoje. O chão molhado era igual a outros que eu já havia visto, e em nenhum momento desconfiei que aquele não era o chão de sempre. Estava molhado sim, mas não de água de chuva.

Pois é, a neve chegou... E chegou sem que eu a percebesse. Estava ali, tão presente, tão próxima a mim... E eu, distante, pensando em encontrá-la com outra face, como nos filmes. Teria sido nosso primeiro encontro, mas o encontro não aconteceu. Porque embora ela estivesse comigo, eu estava em outro lugar. Simplesmente, não a reconheci. Pois, para mim, não era ela.

Meus olhos viam o que eu mesmo não vi. Isso é estranho!

Buscava algo que não existia, ou melhor, que existia apenas em meu imaginário de estereótipos. E deixei-a passar com indiferença. Talvez, para ela, fosse como se eu não a esperasse... Ou pior, como se ela nem sequer existisse para mim. É verdade que seu encanto era discreto e que vinha sutilmente misturado ao invisível das coisas comuns. Mas era um encanto real, que exigia de mim apenas um pouco mais de sensibilidade.

Sensibilidade para ver o que estava bem à minha frente, e que talvez justamente por estar tão perto, não poderia ser percebido por olhos como os meus. Olhos tão obstinadamente fixos num horizonte distante que, assim como o futuro, não existe. De novo, sinto necessidade de ver a realidade. Mas não a realidade que eu trouxe do Brasil. Porque, em Paris, a realidade é outra, ela joga comigo escondendo-se e desafiando-me a encontrá-la. Onde ela está? Onde ela estará?

5 comentários:

  1. thomaz, quer um pouquinho de realidade? acabo de ler seu post e começa a nevar!! atarantada que sou, me tranquei para fora do quarto e fui ver minha primeira neve de chinelo havaianas e meias!! será que isto existe?
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Borboleta, tudo agora parece ter sido encantado por essa palavra, "neve". São 17h e estou na BnF. Aqui também está nevando, e agora são flocos brancos mesmo! Se isso existe, se é real, não sei dizer, porque com esse cenário fica difícil não pensar que Paris é um lugar mágico... Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Forrest Gump de fato não faria melhor...Parabéns.... Agora só falta um terremoto...para vc não notar... Ari

    ResponderExcluir
  4. Seasons Greetings!
    Hiro

    ResponderExcluir
  5. chegou cedo a neve...a minha primeira eu me lembro, dia 17 de dezembro...linda

    ResponderExcluir